Image for post
Image for post
(Imagem: reprodução)

Uma senhora com as unhas pintadas de vermelho ensina a neta a fazer um coquetel molotov. Ao lado do simples projeto de “faça-você-mesmo” está um cinzeiro cheio de cigarros. A avó, sorridente, joga o explosivo em câmera lenta. Depois, vai de carro com a filha e a neta conferir o estrago feito há tempos por um de seus explosivos — e se mostra orgulhosa dele, o que faz com que a filha a repreenda. Excêntrica, a vovó também lustra seus sapatos enquanto espera por uma consulta médica num hospital — lá dentro, o médico revela que ela tem catarata, provavelmente…


Image for post
Image for post

Prioridades.

Um momento de crise é um tempo para reconsiderarmos nossas prioridades. É quando se torna claro o que é importante e o que não é. Todos nós tivemos de repensar nossas prioridades quando a pandemia de coronavírus começou — e quando eu digo “nós”, eu não estou me referindo apenas a mim e a você, mas também aos governos. Considerando as medidas tomadas pelo governo brasileiro nos nove primeiros meses da pandemia que já matou mais de 200 mil pessoas no país, podemos dizer que a prioridade deles é proibir o aborto.

Em março, no comecinho da pandemia, o…


Image for post
Image for post
Illustration by Daniela Gilsanz

A moment of crisis is always a time for us to reconsider our priorities. It’s when it becomes clear what is important and what isn’t. We all had to rethink our priorities when the coronavirus pandemic started — and when I say “we all” I’m not saying just you and me, but also the governments. Considering the measures taken by the Brazilian government in the first nine month of the pandemic that already killed more than 200,000 Brazilians, we can say that their priority is to ban abortion.

In March, in the very beginning of the pandemic, the biggest legal…


Image for post
Image for post
(Imagem: assessoria de imprensa)

Monika (Barbora Bareikyte) vive com a mãe, Jolanta (Gabija Jaraminaite), pianista obrigada a trabalhar numa fábrica de peixe para sobreviver, e com a avó (Jurate Onaityte), claramente apresentando sinais avançados de demência. Monika tem uma bela voz e, com a mãe tocando teclado, se apresenta de vez em quando. É numa destas apresentações ocasionais, no funeral de um colega de trabalho da mãe que cometeu suicídio, que Monika chama a atenção de um produtor musical que a convida para cantar em um castelo. Para desencorajar a filha da ideia de aceitar a proposta, Jolanta doa o teclado para o centro…


Image for post
Image for post
Imagem: site oficial

Não se deixe enganar pelo título em inglês: “Umbrella” é um curta-metragem brasileiro — e de muito sucesso! Depois de ser exibido com êxito em diversos festivais ao redor do mundo, o curta agora busca uma indicação ao Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação. E há chances: com uma história simples, sem diálogos — portanto, universal ao se livrar da barreira da língua — e emocionante, “Umbrella” tem grandes chances de viralizar em sua estreia digital, que acontece entre sete e 21 de janeiro. …


ESTE ARTIGO TEM SPOILERS

Image for post
Image for post

Um bom filme é capaz de gerar artigos bastante diversos sobre. Olhando por este prisma – e por muitos outros – “Retrato de uma Jovem em Chamas” pode ser considerado um ótimo filme. Artigos foram escritos sobre como cada frame do filme poderia ser uma pintura. Houve até artigo equivocado, dizendo que só mulheres apreciariam o filme porque não há personagens masculinos importantes. Ora, eu mesma conheço mulheres que apreciam “Lawrence da Arábia” (1962), famoso, entre outras coisas, por não ter uma única mulher com falas em suas quase quatro horas de duração – e estas…


Image for post
Image for post

You may already know the legend of Joan of Arc. Her story was told so many times and with so many different approaches since the beginning of silent cinema, so it’s natural for us to ask: what could be brought as a novelty in another film about the warrior saint? People who say that nothing new could be added to the story certainly are unaware of the existence of “The Legend of Joan of Arc”, a film made with puppets — and a strong feminist speech.

The 48-minute film tells the story we all know. Joan of Arc, a French…


Image for post
Image for post
Imagem via Pexels

Cada dia era mais uma exigência para desembarcar. Primeiro, rezar agradecendo pelo bom voo, pelo bom pouso. Daquele ritual, nem os estrangeiros escapavam. A brasileira, vendo a estrangeira confusa, foi tomada pela empatia e aconselhou, em inglês: “Just move your lips. They don’t know the difference”. Se não souber rezar em português, finja. Enquanto ela fingia, se lembrou da vez em que tentaram canonizar Santos Dumont para rezar para ele antes da decolagem e depois do pouso, mas desistiram da ideia depois que ouviram rumores sobre o porquê de ele nunca ter se casado. …


Image for post
Image for post
Imagem via Pexels

Eu ainda não gargalhei

Nesta pandemia.

É verdade, eu sorri,

Mas dos sorrisos, era falsa a maioria.

O isolamento social

Não impediu algumas decepções.

Já pensei em cortar os pulsos

Já quis pintar o cabelo

Já acabei umas quatro séries

Já fiquei obcecada e decepcionada

Com coisas que aconteceram há mais de 10 anos:

O que eu poderia ter feito diferente?

Já perdi a paciência — e as esperanças

Sem recuperar nenhuma das duas.

Já briguei e não pedi desculpas

Já achei que era bipolar

Já fui dormir ao amanhecer

Já abandonei velhos hábitos

Já perdi a capacidade (eu tinha?)

De administrar o tempo

Porque o tempo perdeu o sentido.

No fundo eu não queria

Escrever sobre a pandemia.

Mas é que faz muito tempo

Que eu não escrevo poesia.


Image for post
Image for post
(Foto de André Guerreiro Lopes)

Um dos temas que mais me fascinam é dos doppelgängers, ou seja, de duas pessoas que se parecem, mas não são parentes. Já escrevi sobre filmes que lidam com este tema em algumas ocasiões. De certa forma, o filme “Mulher Oceano”, que marca a estreia na direção da atriz Djin Sganzerla, tem doppelgängers, mas a semelhança entre as duas mulheres protagonistas não é o tema central do filme — não é sequer a razão que fez uma delas prestar atenção na outra.

Hannah, escritora, acaba de se mudar do Rio de Janeiro para Tóquio, para acompanhar o marido Rafael, um…

Letícia Magalhães

Lê. 27. Aspie. Brasil. Cinema.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store